“É pau, é pedra, é o fim do caminho. É um resto de toco, é um pouco sozinho”

Tom Jobim e sua genial forma de escrever casou tão bem com a voz única de Elis Regina, que é impossível não se emocionar toda vez que se escuta “Águas de Março”. É toda a vida acontecendo no final do verão com “A promessa de vida no teu coração”, que a vontade de viver esse momento torna-se irresistível.

E são as promessas de vida que nos dão coragem na hora que nos sentimos mais sozinhos. Quando estava saindo de casa para ir ao aeroporto, minha mãe entregou-me uma carta. Esse gesto já me fez chorar, pois ela não costuma expressar seus sentimentos dessa forma. Peguei aquele pedaço de papel como se fosse o maior tesouro que estava levando em minhas malas e guardei, pois queria ler na hora certa.

No terceiro dia que estava aqui em San Diego, bateu aquele aperto no peito, era uma tristeza de saudade. Sei que parece precoce, mas quando tudo e todos são diferentes daquilo que você viveu diariamente durante 27 anos de sua vida, em alguns momentos bate a dúvida: “O que estou fazendo aqui?”.

Foi então que li e reli a carta dela. A cada parágrafo uma lágrima, uma saudade e um conforto. Tenho certeza que minha mãe foi a pessoa que mais sofreu com minha mudança, mas desde o início ela apoiou, mesmo com o coração despedaçado.

Para me sentir ainda mais abraçada, reli a carta que minha melhor amiga Luciana escreveu antes da viagem. Foi nesse momento, depois do mais puro amor expresso em palavras, que tudo voltou a fazer sentido e vi que não estava mais sozinha.

No fim, entendi que todo o resto que trouxe na bagagem não tinha muita importância. Roupas e sapatos podem ser comprados novamente, aqui é tudo muito bom e barato.  Mas cartas e objetos pessoais, aqueles que possuem algum significado sentimental para você, são os itens que realmente fazem a diferença quando se está longe de casa.

Muitos amigos disseram-me que a distância é só um número. Essa é a mais pura verdade. Todos os dias falo com meus pais e amigos por Skype, e-mail, Whatsapp, Facebook, Twitter e Instagram. É como se todos estivessem aqui perto, mesmo estando longe. Meu pai tornou-se entusiasta digital desde que falei sobre a mudança. Hoje ele passa metade do dia no celular falando comigo e com outros parentes que moram longe, e está feliz da vida por descobrir a cada instante uma novidade (não preciso nem dizer que cada mensagem vem com uma foto em anexo e um emoticon <3).

Um dos meus maiores medos da mudança era que as pessoas fossem me esquecer, mas descobri que sempre estamos perto de quem amamos. Além disso, essa mudança está abrindo novas possibilidades para meus pais e amigos, que podem vir me visitar. Sem contar que meus pais estão aprendendo mil funcionalidades tecnológicas depois dos 50 anos, comprovando que não existe idade para conhecer coisas novas e surpreender.

Toda mudança, quando é pra melhor, ensina coisas novas para as pessoas que nos rodeiam. Ou seja, a sua mudança pode fazer o bem para muitas pessoas. Não é só você que cresce, é todo o jardim que está a sua volta.

Anúncios

4 opiniões sobre ““É pau, é pedra, é o fim do caminho. É um resto de toco, é um pouco sozinho”

  1. Chorei de novo, acho que isso não vai acabar nunca mesmo.
    Espero que tu comece a ler LOGO o livro que te dei, porque imagino que ele fará muito sentido. E espero que te dê um pouco de conforto. Ele traz muito do que deixei no comentário anterior. Ao menos foi assim para mim.

    Se tem algo que eu aprendi nesta vida, é que não se existe idade para mudarmos e crescermos. Vivi isso na pele quando vi meu pai mudar sua postura diante os dias e levar hoje uma vida muito mais leve do que eu esperava um dia ver.

    Assim devemos levar, vamos encontrar muitas encruzilhadas no caminho. Muitas mesmo. Vamos perder, vamos ganhar, vamos sofrer, vamos sorrir. Mas o mais importante, é a gente não deixar. O pior do ser humano é a busca constante por segurança. Montamos uma fortaleza ao nosso redor para nos iludir que ficará tudo bem. Mas a maioria das coisas são só objetos, sofas, camas, casas, carros, etc. As coisas virão e se irão. Vão se os anéis, ficam os dedos 😉

    Os amigos sempre estarão aqui, a família estará sempre de braços abertos, o amor perdura.
    O amor Dani… ele é uma coisa incrível. É uma cola. que demora a nascer, mas depois que nasce, ele simplesmente não descola. Não importa quanto tempo as pessoas não se veem, não se falam, se existe o amor, ele fica. E no instante que é possível voltar o contato, volta o amor, explodindo dentro da gente. Tu vai estar ai por sei lá eu quanto tempo, mas durante tudo isto, tu ainda vai estar bem aqui ❤ no nosso coração.
    E obrigada, por nos abrir tantas portas e nos deixar crescer tanto junto contigo.
    Providenciarei a renovação do meu visto em breve. Espera só eu achar o pote de dinheiro.

    Curtido por 1 pessoa

    • Lu, o choro não irá parar nunca. As lágrimas são um misto de felicidade, saudade e amor. Quem ama chora. Vou começar a ler o livro hoje, ele já está sobre a mesa de centro aqui da sala. Toda vez que olho pra ele lembro de ti e do quanto tu se importa com as pessoas. Obrigada por ser a minha cola e me ensinar todos os dias uma coisa nova da vida ❤

      Curtir

  2. Olá Daniela. Estava aqui navegado pela rede de computadores e acabei caindo no tua home page, por assim dizer 🙂
    Como que tu cairia no esquecimento criatura? COMO?

    A vida dá milhares de voltas, pessoas seguem caminhos diferentes, mudam, voltam, vão e sempre foi assim, mas as pessoas que queremos bem estarão sempre próximas, seja aquelas que tu conseguiu te manter fisicamente perto ou as outras que tu gostaria que estivessem mas que dão seu jeito (uazaps e afins).

    O trio só se separou momentaneamente e muito provavelmente (como diria numa chamada da sessão da tarde) “Henrique, Luciana e Daniela irão aprontar altas aventuras em San Diego nessa que será a aventura da vida deles” (leia isso com aquela voz única do narrador). Porque é assim, as pessoas que se gostam permanecem próximas, do jeito que dá. A fraternidade continua.

    E a térmica de Davi? Já achou?

    Curtir

    • Ah, Henrique, como eu gosto de ti, criatura. Vou tatuar a frase “Henrique, Luciana e Daniela irão aprontar altas aventuras em San Diego nessa que será a aventura da vida deles” e vou cobrar MESMO a tua visita. Obrigada pelas palavras.

      A térmica de Davi já está aqui. Tomo chimarrão todo dia com ela ❤

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s