“Caminhando contra o vento, sem lenço e sem documento. No sol de quase dezembro, eu vou.”

Dois meses passaram, mas parece que foram doze. Todos os dias a vida é tão cheia de descobertas, que você aproveita muito mais cada minuto e tenta absorver ao máximo a experiência, pois sabe que ela passa rápido e escorre pelas mãos. Ah quem dera poder viver para sempre assim!

Ao mesmo tempo, você despende mais energia por pensar potencialmente em tudo, em cada escolha e em cada saudade. Os sentimentos ficam muito intensos. Por vezes você está muito feliz, como se fosse a pessoa mais abençoada do mundo. Por vezes você está tão triste, que as lágrimas chegam sem avisar, molham o rosto e lavam a alma.

Você caminha sentindo-se nu, como diria Caetano: “sem lenço e sem documento”. Você não consegue esconder aquilo que está estampado no seu rosto. Você está sedento por amor e por carinho. Você está sentido-se o ser mais frágil do mundo. Contudo, você está sozinho e precisa ser forte. O sol e a lua são seus mais fiéis companheiros. Quem muito caminha por aí sabe do que estou falando.

Quando você está longe, por mais que esteja cercado de pessoas, sente-se só. Mas você precisa ter em sua vida um momentos para ser só, pois é assim que se consegue crescer e sobreviver ao novo. Você está longe, mas queria estar perto e também queria estar onde está. Será que a vida é assim tão bipolar? Ou será que você faz dela este caos?

Mesmo longe, você não deixa de acompanhar as notícias e saber sobre tudo que está acontecendo por lá, por mais que não possa fazer muita coisa daqui. A maioria das notícias se repetem todos os dias: violência, corrupção, futilidades, milagres e curiosidades. O mundo vai seguindo, as pessoas vão sobrevivendo, fazendo suas festas, comemorando suas conquistas, chorando suas decepções, mas você não está lá. Você não pode fazer nada além de mandar uma mensagem ou dizer algumas palavras. Você não pode dar um abraço ou simplesmente mostrar que se importa através do brilho do olhar.  Mas você sente, você sofre, você torce, você se preocupa e você se orgulha.

O sol nas bancas de revista
Me enche de alegria e preguiça
Quem lê tanta notícia
Eu vou

As fotos enviadas pelos entes queridos acalmam o coração e mostram que eles seguem vivendo um dia por vez, assim como você. Eles continuam enchendo a vida de cores, de amores, de sabores e de canções. E você segue buscando ser forte e criando a sua nova rotina, conhecendo novas personalidades e espaços. As pessoas seguem casando e acreditando no amor. As pessoas seguem estudando e acreditando na sabedoria. As pessoas seguem trabalhando e acreditando que podem fazer alguma diferença no mundo. E você segue acreditando que está, de alguma forma, presente.

Por entre fotos e nomes
Os olhos cheios de cores
O peito cheio de amores vãos
Eu vou
Por que não, por que não

Descobri que praticar hiking é uma forma de estar perto da natureza e ao mesmo tempo em contato com o seu eu. Caminhar por trilhas desconhecidas sem saber onde se vai chegar dá medo sim. Ao mesmo tempo, você sabe que alguém já passou por ali, pois vê as pegadas, e isso dá segurança e esperança de que pode seguir. San Diego oferece paisagens cheias de montanhas, pedras, plantas rasteiras, muito sol e algum vento. Todo final de semana você pode escolher uma nova trilha, pois a cidade é abençoada com muita natureza a ser desbravada.

Você sente que cada passo trilhado é um a menos e que cada metro de subida é uma vitória. A recompensa está logo ali, mas parece nunca chegar. Porém, você não desiste. Por mais que as pedras façam você tropeçar ou resvalar, por mais que a boca fique seca e implore por mais água, por mais que suas pernas digam chega, você segue, pois sabe que seus olhos precisam daquela recompensa. E quando você chega ao cume, seu coração se enche de alegria. Você sente como nunca que quer seguir vivendo para ver mais, aprender mais e aproveitar mais.

Momentos como esses são inesquecíveis. Durante todo o tempo de caminhada você vai pensando em tudo e em nada. Você fala consigo mesmo e, por vezes, até com um ser superior. Você incentiva a si mesmo, você precisa acreditar em si mesmo. Corpo e mente trabalham juntos, já que um depende do outro, um dá força para o outro. E assim, passo a passo, você vai chegando ao seu destino final.

Sem lenço, sem documento
Nada no bolso ou nas mãos
Eu quero seguir vivendo, amor
Eu vou

A volta é bem mais tranquila, você já conhece o caminho e os obstáculos, e então passa a apreciar com calma a paisagem e tenta gravar os detalhes em sua memória. O ponto de chegada, aquele mesmo da partida que causava tanto entusiamo e incertezas no início, agora é a mais pura sensação de dever cumprido e relaxamento.

A ida sempre é mais difícil, ela é incerta, ela prega armadilhas, ela é, por vezes, traiçoeira. Mas a volta traz outro vigor. Os calos nos pés podem doer mais, mas mesmo assim você sabe que está no caminho certo e que a chegada reserva a recompensa que faz você querer repetir a dose.

Claro que nem todo caminho que você traça tem o mesmo trajeto na volta. Ainda não sei se a vida aqui será permanente, se traçaremos novas trilhas ou voltaremos para o início. Por enquanto só sei que eu vou vivendo passo a passo, minuto a minuto, dia a dia, sem nenhum lenço e com apenas um documento. Estou aproveitando cada brisa. Não me importo com os grãos de areia que ficam dentro do sapato, tampouco com os outros que vão passando correndo por mim. Cada um tem o seu ritmo. Cada um tem o seu objetivo de vida. Cada um tem o seu limite.

Por enquanto eu sigo contra o vento e assim eu vou.

Anúncios

2 opiniões sobre ““Caminhando contra o vento, sem lenço e sem documento. No sol de quase dezembro, eu vou.”

  1. Ai meu coração. Me encheu os olhos de lagrimas e continua a cada dia a encher meu coração de orgulho. Antes de qualquer outra coisa: assista Wilde. Vimos semana passada e é um graciosíssimo filme que vai casar bem com este teu momento.
    Sabe o que mais deve nos atrair nestes momentos? A consciencia do que somos, a nossa pequenes diante do mundo. A fé, a natureza, céu e o mar e a sua imensidão. Um coraçao vasto, cheio de amor, tristezas, presenças e ausencias. Vou te dizer que muitas muitas vezes só aprendemos no nao estar. No escuro, no frio, na solidão, na lagrima que cai do rosto no escuro do quarto. Que assim
    seja, eternamente um
    dia por vez. Uma nova trilha, uma mesma vida. Que todos nós tenhamos a capacidade de
    se perder para nos encontrarmos. Que a vida seja mais diante do pouco que acreditamos. E que a cada dia a gente tenha uma pequena vontade de recomeçar. E que esse mundao nos surpreenda com tudo o que pode nos reservar
    Te amo minha linda. Obrigada por me salvar mais uma vez. Mesmo ai do outro lado da america, tu estas sempre
    comigo. sempre, sempre.

    Curtir

    • Certamente vou procurar por este filme! Obrigada pela dica 🙂

      ” Que todos nós tenhamos a capacidade de se perder para nos encontrarmos.” Amém! Que cada desencontro permita novos encontros e que as pessoas de bem que vamos conhecendo no caminho, nos acompanhem até a reta final. É o que desejo, do fundo do meu coração.

      Mais uma vez, obrigada pelas sábias palavras que me ensinam tanto. Vários destes parágrafos foram inspirados em ti. Quanta saudade, minha amiga, quanta saudade.

      Te amo ❤

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s