“Veraneio Vascaína vem dobrando a esquina”

Faz um tempo que não posto aqui no blog, mas a visita dos meus pais e o emprego novo acabaram sendo o meu foco no último mês.

Nesse meio tempo, aconteceram várias coisas, mas uma delas eu acho especialmente importante compartilhar com vocês. Há três semanas atrás, celebrei meu aniversário no Fanuel Street Park, localizado em Mission Beach, San Diego. O parque é muito bonito, cheio de grama e árvores, com parquinho para as crianças e em frente à baia. Lugar perfeito para fazer um churrasco com os amigos. Pois bem, foi o que pensei. Então, convidei mais de 20 amigos lindos e meus pais para comemorar comigo a chegada dos 2.9. Como em todo churrasco que fazemos por aqui, levamos a farofada e as bebidas.

O consumo de bebidas alcoólicas e o porte de garrafas de vidro são proibidos em praias e parques aqui em San Diego (apenas alguns parques permitem, mas são raros). Porém, é extremamente comum você ver as pessoas levando latinhas ou long necks dentro do cooler e servindo a bebida em copos descartáveis coloridos (aqueles famosos copos vermelhos que vemos em todos filmes de comédia americana). Então, como bons brasileiros, sempre seguimos esse mesmo modelo dos gringos malandros que levam bebida para lugares públicos.

O aniversário corria muito bem e alegre até certa hora da tarde, quando um carro da polícia, estilo carrinho de golfe, veio parar no meio da turma. Os policiais disseram que tinham recebido uma denúncia dos vizinhos de que estávamos bebendo cerveja. Àquela altura, já não tínhamos o que fazer para esconder nada, então permitimos que eles olhassem nossos coolers. Obviamente, eles encontram as cervejas e pediram uma explicação. Daí em diante nem é preciso explicar mais nada. Os policiais acabaram perguntando quem eram os donos dos coolers e começaram a fazer as multas. No fim, eu e uma amiga recebemos multa por portar garrafas de vidro e bebida alcoólica, outra amigo recebeu multa por estar portando garrafas de vidro (elas estavam vazias dentro do cooler dele) e outro amigo recebeu uma multa por estar segurando um copo com cerveja.

Não preciso nem dizer que o aniversário acabou por ali. Claro que fique muito chateada e envergonhada por meus convidados receberem multas na minha festa e por eu receber uma multa também, a primeira da minha vida, na frente dos meus pais, ainda por cima no Dia dos Pais aqui nos Estados Unidos. Mas o erro foi nosso.

Por mais incrível que pareça, os policiais foram extremamente educados e tranquilos durante todo o tempo. O trabalho deles foi muito mais de conscientização do que de aplicar uma multa. E isso é o que quero destacar neste texto. A polícia precisa dar a multa para a pessoa aprender, para doer no bolso e para ela não repetir mais esse erro. Durante todo o tempo que eles estiveram conosco, os policiais explicaram o quão perigoso é portar garrafas de vidro em parques e praias; o quanto isso pode machucar alguém, especialmente crianças e animais; o quanto é perigoso beber e dirigir, etc. Saímos todos dali com sentimento de culpa e entendemos que estávamos errados.

No meu caso e da minha amiga que estávamos portado os coolers e não fomos pegas bebendo, existe uma multa específica. Você tem uma chance de não ir pra corte prestar esclarecimentos se, dentro de cinco dias após o recebimento da multa, entrar no site que o policial indicar, pagar uma taxa de $40 e prestar trabalho voluntário. Esse trabalho voluntário consiste em assistir 2h de aula teórica e 4h de limpeza de uma praia ou parque.

O policial nos explicou que o lugar onde estávamos era perigoso tempos atrás e que foi através do trabalho da vizinhança, de denunciar e ajudar a polícia, que ele se tornou um bom lugar hoje em dia. Então, os vizinhos sempre irão fazer esse tipo de denúncia quando eles verem que alguém está desrespeitando as regras do lugar. E para isso também existe uma placa com as regras do lugar em todos os parques e praias, a qual ignoramos.

Cheguei em casa naquele dia e fui direto acessar o site indicado pelo policial. Ainda estou esperando a cartinha dizendo quando terei que assistir à aula e fazer o voluntariado. Meu amigo que foi pego com o copo de cerveja na mão não teve a mesa sorte. No caso dele, ele precisa ir direto para a corte prestar esclarecimentos e certamente o valor da multa será maior.

Talvez a cartinha nunca chegue, talvez leve mais uma mês, mas o fato é que eu não fui mais pra praia levando nenhum tipo de bebida que não seja água ou suco em garrafas plásticas. Diferente do Brasil, aqui não existem quiosques na beira da praia que vendem comida e bebida, tampouco pessoas passando com isopor e vendendo aqueles lanches tão maravilhosos como milho, queijo assado, biscoito globo, esfiha, etc. É proibido. Por isso, é muito comum cada um levar seu isopor/cooler com os seus suprimentos para o dia. É por isso também que eu digo que os gringos são muito mais farofeiros que nós, até porque eles não têm outra opção.

Mas voltando ao ponto principal, fica aqui o meu alerta. Se você for para qualquer lugar público em San Diego, não leve bebidas alcoólicas ou garrafas de vidro. E, se levar, fique consciente das consequências que isso pode acarretar. Por aqui, a famosa frase “mas eu não sabia, eu sou só turista” não funciona. Aqui não existe jeitinho, conversa ou propina. A regra é lei, sem exceção, e ela se aplica a qualquer um, independente de quem você é e de onde você vem.

 

Anúncios

“And as I looked around, I began to notice. That we were nothing like the rest”

Acredito que um dos melhores presentes que a Califórnia me deu foi a sensação de ser livre e a oportunidade de poder viajar com frequência. Por mais que eu tenha uma vida cheia de obrigações, aqui, eu posso conhecer lugares incríveis sem precisar viajar milhares de quilômetros. Aqui, eu posso planejar trips que jamais imaginaria fazer alguma vez na vida e gastar muito pouco dinheiro.

Faz um ano e quatro meses que estamos morando na Califórnia e já conhecemos muitos lugares, pois é barato e fácil viajar. San Diego está numa região bem localizada, por isso muitas vezes é só preciso pegar o carro, dirigir uma ou duas horas e o seu destino estará logo ali. Dependendo do tempo e da grana que se têm, às vezes não é nem preciso passar a noite no lugar, gastando com hospedagem, por exemplo. Dá para fazer o famoso “bate e volta”.

Ano passado, conhecemos Palm Springs, Joshua Tree, Salton Sea, Temecula, Big Bear, Mammoth, Santa Bárbara, Oceanside, Malibu, Laguna Beach, Santa Mônica, Trestels e até Tijuana e Ensenada, cidades localizadas no México. Este ano, já fomos para San Francisco e Los Angeles. Porém, também tivemos a oportunidade única de ir ao Coachella, um dos maiores e mais famosos festivais de música dos Estados Unidos. O festival, que começou oficialmente em 1999, acontece anualmente na cidade de Índio, na Califórnia, e tem a duração de dois finais de semana (contando sexta, sábado e domingo).

I heard them calling in the distance
So I packed my things and ran
Far away from all the trouble
I had caused with my two hands
Alone we traveled on with nothing but a shadow
We fled far away

Assim que os ingressos foram colocados à venda, no final do ano passado, garantimos a nossa presença. Logo depois, começamos a pesquisar algumas casas, pois iríamos com uma turma grande de amigos. Porém, no fim optamos por alugar um RV (o motorhome daqui) e ficar em um camping próximo ao evento. Certamente essa foi a melhor escolha que poderíamos ter feito. O RV tem um custo-benefício exelente se comparado com o aluguel de um motel (hotel barato daqui) ou de uma casa, já que os preços triplicam na época do evento. Fomos em 6 pessoas (mas existem opções para turmas maiores e menores) e todos dormiram confortavelmente. O RV oferece todo o conforto de uma casa sobre quatro rodas (banheiro, cozinha, ar-condicionado, camas, sofás, armários) e não gasta muita gasolina. Fomos e voltamos do evento, que fica a duas horas e meia de San Diego, e gastamos 3/4 de tanque. Você também pode levar toda a sua comida, já que tem geladeira, pia e fogão pra cozinhar. Por isso, fizemos um bom rancho antes de ir e comíamos bem todas às manhãs, antes de sair e quando voltávamos. Assim, gastávamos muito pouco comendo no evento (as coisas não são muito caras. A média fica entre $7 e $10 por um lanche, $2 por uma garrafa de água e $10 por um copo de cerveja).

O camping foi outro grande acerto da trip. Ficamos a 30 minutos do evento, mas tínhamos uma infraestrutura maravilhosa: piscina, jacuzi, banheiros com chuveiros, café da manhã, sem contar todo o sistema de água, luz e esgoto oferecidos para os RVs. Todos os dias, o camping disponibilizava um ônibus (em horários específicos) para levar e buscar os hóspedes que estavam ali apenas pelo Coachella. Claro que pagamos pelo serviço, mas a economia foi bem grande se compararmos com a grana que gastaríamos com estacionamento (fora o cansaço e o perigo em voltar dirigindo) ou com Uber, que chegava a custar quatro vezes mais que uma corrida normal devido a quantidade de gente que estava buscando o serviço.

Enfim, a experiência com o motorhome foi tão positiva, que já estamos planejando fazer outras trips com ele. E agora, eu também passei a entender o porquê de muitas pessoas optarem por morar em um RV.Você tem tudo que precisa e ainda pode levar a sua casa para qualquer lugar do mundo. Na Califórnia, existem dezenas de pessoas que fazem isso, inclusive existem campings em vários lugares onde é possível pagar uma taxa mensal para poder estacionar a “sua casa”. Também é comum ver vários RVs nos estacionamentos públicos das praias e dos parques de San Diego.

Hold your horses now
(Sleep until the sun goes down)
Through the woods we ran
(Deep into the mountain sound)
Hold your horses now
(Sleep until the sun goes down)
Through the woods we ran

Agora, falando sobre o Coachella…..Por mais que eu tivesse visto fotos e lido algumas matérias sobre o festival, nenhuma descrição conseguiu representar a sua verdadeira grandiosidade. Desde o momento que eu desci do ônibus e caminhei até a entrada final (o que leva meia hora) eu não estava acreditando que aquele lugar no meio do deserto era real, parecia uma miragem.

Imagine que em média 200 mil pessoas passam pelo festival durante os dois finais de semana, o que é MUITA gente! Então, para oferecer o melhor serviço para toda essa galera, existem dezenas de barraquinhas de comida, lojinhas, banheiros, além de muitas pessoas trabalhando ao redor do lugar como seguranças, médicos e enfermeiros, e diversos outros funcionários que ajudam você a achar o seu estacionamento, seu acampamento (o Coachella tem um espaço para camping, mas é mais caro), seus amigos…

Os portões abrem às 11h da manhã e o festival termina às 2 da madrugada na sexta e no sábado, e à 1h no domingo. Acha pouco? Nós geralmente chegávamos às 15h e ficávamos até o final, o que dava uma média de 10/11 horas de evento aproveitado, o que foi MUITO para o nosso corpo. Aí tem um ponto importante: eu fiquei extremamente feliz por estar fazendo exercícios físicos nos últimos meses, pois você precisa ter um mínimo de preparo físico para conseguir curtir o festival ao longo dos três dias.

Como são dezenas de bandas tocando ao mesmo tempo e o lugar é ENORME, você caminha de um lado para o outro o tempo todo. Claro que dá para sentar, deitar e até dormir na grama, mas não dá pra ficar muito tempo no descanso, pois o mundo Coachella não pára pra você se recuperar.

Além dos palcos principais e das grandes tendas, existem tendas menores de música eletrônica que sempre estão com algum DJ fazendo a festa. Eu, que estava mais pelos shows de rock, indie e acústicos, acabei me rendendo em muitos momentos.

Um ponto que nos convenceu a não chegar muito cedo todos os dias, além do cansaço, foi o calor. Imagine que o festival é no meio do deserto e as temperaturas chegam aos 40 graus. Por isso, não dá para esquecer do protetor solar para o rosto, lábios e corpo, além de estar o tempo todo tomando água. À noite, ficava mais fresco, em torno de 20 graus, e era preciso sempre levar um casaquinho.

Some had scars and some had scratches
It made me wonder about their past
And as I looked around I began to notice
That we were nothing like the rest

Como é permitida a entrada de crianças e menores, as áreas que vendem bebidas álcóolicas para maiores de 21 anos são fechadas. Ou seja, você precisa, todos os dias, mostrar seu documento, pegar uma pulseirinha (todos os dias a cor da pulseirinha muda) e depois parar nas filas para entrar nesses lugares. Eu vi poucas crianças, mas a quantidade de adolescentes é realmente impressionante se comparada com pessoas mais velhas.

Nos três dias do evento, não vi nenhuma briga ou confusão, apenas algumas pessoas passando mal do calor e da bebida, o que é perfeitamente normal em qualquer festival ao ar livre. Nem nos maiores shows, como no do Guns N’ Roses, por exemplo, fomos empurrados ou nos sentimos apertados/sufocados. As pessoas respeitam o seu espaço. Por isso, era comum ver no meio da multidão que estava assistindo a um show, pessoas sentadas ou deitadas e todo mundo passando ao redor e respeitando a opção delas de não estarem de pé.

O que me deixou mais encantada com toda a experiência foi a atmosfera do lugar. Ver o pôr do sol era o momento mais incrível do dia, pois você olhava ao redor e via muitas montanhas e palmeiras, milhares de pessoas cantando, sorrindo, dançando e não se importando com o que o mundo estava pensando sobre elas naquele momento.

Além da música, o Coachella é um festival de arte. Você encontra esculturas, luminosos, construções e letreiros por todos os lugares. É inspirador estar ali, mesmo quando você não está vendo algum show, pois a arte toma conta do lugar e de você. O jeito de vestir das pessoas também é algo à parte. O look padrão é o estilo hippie chic, mas todo mundo encontra a sua forma de deixar o visual com um toque pessoal. Ao mesmo tempo, existem pessoas que vão fantasiadas (vi muitos unicórnios, alguns super-heróis, um minion e até um pikachu), outras seguem um estilo gótico, outras ainda optam pela linha nudes.

Amei a experiência e recomendo pra todo mundo. Se você tiver a oportunidade de ir ao Coachella, vá! Você estará no fim do mundo sentindo por todos os seus poros uma energia que mistura música, arte e pessoas dos mais variados estilos e lugares. Depois, você terá uma vida inteira para recordar e contar as histórias que viveu, as bandas que conheceu e os amigos que fez ❤

Whoa-oh-oh-oh-oh We sleep until the sun goes down Whoa-oh, whoa-oh We sleep until the sun goes downWhoa-oh-oh-oh
We sleep until the sun goes down

La la la, whoa-oh-oh-oh-oh
La la la, we sleep until the sun goes down
La la la, whoa-oh, whoa-oh
La la la, we sleep until the sun goes